500 mais

NOSSO FIEL COMPROMISSO COM A VERDADE

sábado, 2 de julho de 2016

Em frente a embaixada de Israel em Ancara, Turcos gritam: "Morte a Israel!"




Muçulmanos turcos reuniram em frente à embaixada israelense em Ancara para expressar solidariedade com os palestinos.

Aceitando a convocatória da Organização dos direitos humanos e solidariedade para as pessoas oprimidas, cidadãos comuns e varias ONGs se reuniu na sexta-feira por ocasião do Dia Mundial da Al-Quds.

Indignado gritavam "Morte a Israel e patrocinadores regionais de sionistas”!”““,” Viva a Intifada palestina e unidade da comunidade muçulmana" e assim como “Israel! fora da Palestina", a fim de defender a nação palestina contra as atrocidades e crimes do regime de Tel Aviv.

Por sua parte, o diretor de Mazlumder, Omer Faruk Unsal, disse que os muçulmanos devem defender a libertação de Al-Quds (Jerusalém) e apoiar os seus irmãos e irmãs palestinos. "Nós não podemos sentir-nos em paz até que a nação palestina se livre totalmente de ocupação israelense", disse ele.

Ele também expressou sua oposição clara ao acordo selado em junho passado 26 entre Ankara e regime de Tel Aviv para normalizar as relações bilaterais congeladas após o assalto protagonizado em maio 2010 por soldados israelenses contra um comboio humanitário turco que viajava para Gaza Gaza para entregar ajuda.

No ataque, 10 ativistas turcos foram mortos, de modo que a Turquia suspendeu as suas relações com esse regime.

"Este acordo é inaceitável e não atende a exigência do povo turco que pede fim ao cerco israelense imposto a Faixa de Gaza e contradiz as petições das famílias dos mártires de assalto em 2010, uma vez que impede seus autores sejam levados à justiça", lamentou. Embora o presidente turco, Recep Tayip Erdogan, acredita que seu país precisa o regime israelense, a oposição turca critica relações turco-israelense e garante que os turcos "não precisam" ter ligações com esse regime.



vídeo mostra como um soldado do regime israelense brutalmente preso uma criança palestina de 12 anos, durante uma manifestação pacífica na aldeia de Nabi Saleh contra o confisco de terras palestinas para expandir o assentamento ilegal de Halamish pelo regime de Tel Aviv.



***


Postar um comentário