NOSSO FIEL COMPROMISSO COM A VERDADE

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Falência do programa Bom Prato com refeições a R$ 1, simboliza a gestão PSDB em SP





247 – Gestores dos restaurantes do Bom Prato, programa estadual que oferece refeições a R$ 1, ameaçam encerrar as atividades em São Paulo.

Em uma carta-manifesto com 20 assinaturas, eles afirmam que estão à beira de um “colapso financeiro” e oferecem “alimentação de qualidade inferior ao padrão”, por falta de recurso. Exigem aumento de subsídio do governo Alckmin (PSDB).

O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, por sua vez, sugere que as unidades troquem os itens mais caros do cardápio. “Se o feijão mulatinho está caro, comprem feijão preto”, afirmou, em entrevista ao “Estado de S. Paulo”.

De acordo com as entidades, a defasagem acumulada desde 2006 é de 34,15% no custo do almoço e de 17,99% no café da manhã.

Pesaro minimiza o problema e diz que não há risco de o serviço ser interrompido. “Não há queda de qualidade, nem de caloria, nem produto. O que pode haver é substituição. Frango no lugar da carne, por exemplo” – leia aqui.

***

segunda-feira, 4 de julho de 2016

♫ Pink Floyd - On The Turning Awa




Pink Floyd - “On The Turning Away"  Nassau Coliseum on Long Island, New York in August 1988 





Ao virar as costas
Aos pálidos e oprimidos
E as palavras que eles dizem
Que não iremos entender
"Não aceite que o que está acontecendo
É só um caso do sofrimento alheio
Ou você perceberá que está se juntando
Ao virar de costas"...




***

Poucos precisam de muito e muitos precisam de tão pouco pra viver

Economia:


Um raio X dos super-ricos ajuda a entender o fenômeno da concentração de riqueza



Em janeiro, um relatório da Oxfam, tradicional organização internacional voltada às questões da pobreza e da injustiça social, mostrou como políticas econômicas geraram situações de extrema desigualdade. Segundo a entidade, “o 1% mais rico da população mundial detém mais riquezas atualmente do que todo o resto do mundo junto”.

De acordo ainda com a Oxfam, em 2015, apenas 62 indivíduos detinham riqueza idêntica à da metade da população mundial mais pobre, composta de 3,6 bilhões de pessoas. Pior, a parcela do primeiro grupo aumentou 44% desde 2010, enquanto a dos demais caiu 41%. Avanços registrados desde a década de 1990, é preciso reconhecer, permitiram uma redução significativa do número de indivíduos abaixo da chamada linha de pobreza extrema. Entretanto, o aumento da desigualdade reduz as chances de outros milhões deixarem essa mesma condição.

Recentemente, Richard Florida divulgou no website da revista norte-americana The Atlantic um working paper do Peterson Institute for International Economics. O trabalho, assinado por Caroline Freund e Sarah Oliver, foi baseado em dados da lista anual de bilionários da revista Forbes, do período de 1996 a 2015. O produto é um verdadeiro raio X do topo da pirâmide econômica.

O levantamento mostra que a riqueza dos bilionários cresceu de, aproximadamente, 1 trilhão de dólares, em 1995, para cerca de 5 trilhões em 2015. A crise de 2008 foi sentida e destruiu riqueza, porém, a curva de crescimento foi rapidamente recuperada. Em 2015, aproximadamente 30% dos bilionários estavam nos Estados Unidos, 28% na Europa, 9% na China, 7% na Rússia e 4% no Brasil.

A tendência que mais chama a atenção é a imensa riqueza acumulada por self-made men, geralmente empresários que construíram fortunas partindo de uma carteira quase vazia. Em 1996, eles eram 45% do total dos bilionários. Em 2014, já eram 70%. O fenômeno é mais acentuado nos EUA e em alguns países emergentes. Na Europa, a dinheiro parece seguir de geração em geração. Conforme observa Florida, isso se reflete na média de idade dos bilionários, de 61 anos na Europa e 42 anos nos Estados Unidos.

De onde vem a nova riqueza? Nos EUA, das novas empresas de tecnologia e do mercado financeiro. E está crescendo rápido. Freund e Oliver observam que a lista da Forbes registrou, em 2015, um número recorde de bilionários: 1.826 indivíduos no mundo tinham mais de 1 bilhão de dólares. Outros recordes foram batidos no mesmo ano, o de bilionários de idade inferior a 40 anos e o de mulheres bilionárias.

A pesquisa revelou também tendências. Primeiro, o número de super-ricos está crescendo mais rápido nos países em desenvolvimento, em comparação aos países desenvolvidos. A China tinha dois bilionários em 2005. Em 2015 saltaram para 213. A boa notícia é que eles e elas não se concentram mais em áreas relacionadas a recursos naturais e a setores “politicamente relacionados”, como no passado. Em segundo lugar, a riqueza é cada vez mais construída e, portanto, menos herdada. Terceiro, foram constatadas diferenças significativas entre regiões e países. A Ásia parece ser o lar dos empreendedores que criam negócios de grande escala. No Oriente Médio e no Norte da África, a proporção de riqueza herdada cresce e a de empresas criadas diminui. Os Estados Unidos, com seus superempreendedores ligados à tecnologia, são relativamente mais dinâmicos que a Europa, mais caracterizada pela riqueza que passa de pai para filho.


Os autores observam que a lista da Forbes talvez seja incompleta. A relação exclui alguns grupos de bilionários, os mais “discretos” ou “tímidos”, que preferem manter confidencial o porte de suas posses, e aqueles mais “extrovertidos”, mas que amealharam fortunas por meio de expedientes “heterodoxos”, tais como o tráfico de drogas e o uso do poder político. Dessa forma ficam de fora muitos monarcas, ditadores e alguns de seus asseclas. A medida deve tranquilizar os listados, que provavelmente não gostariam de ver seus nomes em má companhia. Talvez seja indiferente para o restante da pirâmide, que vê no topo apenas uma quimera, difícil de compreender e impossível de alcançar.

Pobreza e Riqueza o Mundo Capitalista



***

Impresionantes fotos reales de un ovni en el círculo polar ártico


Vicente Fuentes diz o recentemente vazou em um incidente surpreendente no Oceano Atlântico Norte no início dos anos 70, onde uma incrível objeto voador não identificado aparece que muda de forma na frente de um americano tiros submarino nuclear. Esperamos que o programa será de interesse.






***

sábado, 2 de julho de 2016

Em meio à enxurrada de denúncias mídia faz Aécio desaparecer




Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, colunista de política do Cafezinho.

Aécio Neves é o presidente do maior partido de oposição ao governo Dilma, o PSDB, foi o segundo candidato mais votado nas últimas eleições presidenciais e, além disso, esteve à frente das manifestações pelo impeachment e do processo que levou ao governo interino de Michel Temer. No entanto, como se fosse um cidadão comum, Aécio some da mídia, não se posiciona a respeito da política econômica e se cala sobre as questões decisivas num momento crítico da história do país.

Em outros lugares, a opinião pública não aceitaria esse desaparecimento porque um líder político não pode simplesmente abandonar suas responsabilidades e esconder-se. Ele seria acusado de deserção. Um batalhão de repórteres estaria no encalço de Aécio, dia e noite, como um pelotão de busca atrás de um general desertor. Sobretudo, ele não poderia se furtar de prestar contas à sociedade e aos seus eleitores sobre tantas denúncias, que se agravam por virem de denunciantes diferentes (Sérgio Machado, Pedro Corrêa, Léo Pinheiro, Delcídio do Amaral).

No Brasil, ao contrário, o chá de sumiço é a estratégia mais corriqueira e manjada dos políticos acusados de corrupção. Foi o que fez Sérgio Cabral Filho, governador do Rio, quando muitas nuvens negras se acumularem sobre a sua praia. No entanto, no caso do Sérgio Cabral, a Globo profanou o seu recolhimento, e uma indiscreta matéria da revista Época colou o dedo na sua ferida. O título da matéria já disse quase tudo: Cabral exigiu 5% de propinanas obras do Maracanã, dizem delatores. Irônico, o texto começou assim:

“Desde que deixou o cargo de governador do Rio, há pouco mais de dois anos, Sérgio Cabral tornou-se um político recluso.  Suas aparições públicas são raras e nada se sabe sobre como passa seus dias.”

A matéria passou o pente fino nas denúncias de transgressões associadas ao nome do ex-governador. Mas e Aécio? Aécio vai muito bem, obrigado, porque a mídia o deixa no conforto do limbo oculto num véu de invisibilidade. Tudo indica que dificilmente será desalojado daí.

Com as inúmeras denúncias dirigidas a Aécio desde 2014, a começar pelo aeroporto em terras do tio-avô, tudo se passou em brancas nuvens flutuando num céu de brigadeiro. Só recentemente, e muito aos poucos, as denuncias foram ganhando maior visibilidade, e isso mais por conta da PGR de Rodrigo Janot do que por força da responsabilidade da mídia de informar.  De todo modo, o acúmulo de denúncias nas últimas semanas obrigaram  Aécio Neves a mergulhar mais fundo no submundo da invisibilidade.

O mês de junho de 2016 mostrou-se excepcionalmente rico em denúncias de corrupção envolvendo Aécio Neves e de denuncias, o que é pior, sacralizadas pelo selo de “delações premiadas”. Assim, na delação premiada do ex-deputado condenado no mensalão e na Lava Jato, Pedro Corrêa (PP-PE), Aécio surge como indicando diretores da Petrobras, já Sérgio Machado apontou seu envolvimento em pagamentos, com recursos provenientes da corrupção naturalmente, para financiar deputados e eleger-se presidente na Câmara Federalem 2001. Por fim, o empreiteiro Léo Pinheiro, sócio e ex-presidente da OAS, afirma que pagou propina a auxiliares de Aécio.

Apesar dos pesares, embora a situação de Aécio tenha se complicado extraordinariamente, não se levantou na mídia um clima de caça às bruxas, de linchamento moral e político, semelhante ao que ocorreu com Lula, no momento da sua indicação para o ministério, quando a Globo mobilizou até o STF para vociferar raivosamente contra um ex-presidente da república.

O tratamento ameno e amigável, em que as manchetes aparecem para sumirem instantes depois dos portais, não deixa espaço para o teatro da indignação escandalizada.

Além disso, em diversos momentos, a mídia sai em defesa de Aécio, sempre de forma indireta, seja através da apresentação de sua figura como a de um líder prestigiado no meio político, seja dando ressonância a defesas, como a recente de FHC garantindo que Aécio nunca pediu a ele cargos de diretores na Petrobras.

O silêncio de alta densidade, sobretudo, que permite a Aécio sumir das manchetes por tempo indeterminado constitui a principal forma de proteção que a mídia tem concedido a ele. O presidente do PSDB pode estar afundando aos poucos num pântano de descrédito, mas não é vítima nem do ódio generalizado embora relativamente ameno, que o país devota hoje a Eduardo Cunha, nem do ódio virulento cristalizado em certos segmentos da classe média contra Lula. A mídia o tem resguardado contra isso.

Bajonas Teixeira de Brito Júnior – doutor em filosofia, UFRJ, autor dos livros Lógica do disparate, Método e delírio e Lógica dos fantasmas, e professor do departamento de comunicação social da UFES.

***

golpistas veem Cunha em um " paletó de madeira," prestes a explodir




Na edição de hoje de O Globo, das repórteres Júnia Gama e Cristiane Jungblut diz que Planalto vê ‘pá de cal’ para Cunha após prisão dedoleiro, informando que a  detenção de  Lúcio Bolonha Funaro  “deve sepultar de vez as tentativas” do Presidente afastado da Câmara “de driblar as acusações de envolvimento com o esquema de corrupção investigado na operação Lava-Jato”.

Mas, com isso, vem o medo:

  • “O temor no governo é com a reação que Cunha pode ter a este novo fato. Diariamente, chegam ao Planalto e ao Congresso relatos de que Cunha estaria negociando com a Justiça para tentar preservar sua mulher, Cláudia Cruz, ré por lavagem de dinheiro e evasão de divisas na operação Lava-Jato, e sua filha Danielle Dytz, também investigada na operação.


  • — Prenderam o Funaro para pegar o Eduardo Cunha. Ele está muito preocupado com a mulher e com a filha e nós sabemos que está negociando para aliviar o quadro delas. O que não se sabe é o que ele vai oferecer em troca. Ele sempre diz que não pretende expor ninguém, mas, em um momento de destempero, ninguém sabe o que pode sair — afirma uma fonte do Planalto.


No Brasil do “entrega os outros senão de deixo na cadeia” – quem diz não sou eu, mas o Ministro Marco Aurélio, do Supremo: “prende-se até mesmo para se fragilizar um homem e se lograr a delação premiada. E enquanto não delata, não é libertado” –  o problema é se interessa a quem ele tem para entregar.


Como se canta nas brincadeiras infantis, neste país imbecilizado: “vai depender, vai depender, vai depender se o MP vai querer”


***

Em frente a embaixada de Israel em Ancara, Turcos gritam: "Morte a Israel!"




Muçulmanos turcos reuniram em frente à embaixada israelense em Ancara para expressar solidariedade com os palestinos.

Aceitando a convocatória da Organização dos direitos humanos e solidariedade para as pessoas oprimidas, cidadãos comuns e varias ONGs se reuniu na sexta-feira por ocasião do Dia Mundial da Al-Quds.

Indignado gritavam "Morte a Israel e patrocinadores regionais de sionistas”!”““,” Viva a Intifada palestina e unidade da comunidade muçulmana" e assim como “Israel! fora da Palestina", a fim de defender a nação palestina contra as atrocidades e crimes do regime de Tel Aviv.

Por sua parte, o diretor de Mazlumder, Omer Faruk Unsal, disse que os muçulmanos devem defender a libertação de Al-Quds (Jerusalém) e apoiar os seus irmãos e irmãs palestinos. "Nós não podemos sentir-nos em paz até que a nação palestina se livre totalmente de ocupação israelense", disse ele.

Ele também expressou sua oposição clara ao acordo selado em junho passado 26 entre Ankara e regime de Tel Aviv para normalizar as relações bilaterais congeladas após o assalto protagonizado em maio 2010 por soldados israelenses contra um comboio humanitário turco que viajava para Gaza Gaza para entregar ajuda.

No ataque, 10 ativistas turcos foram mortos, de modo que a Turquia suspendeu as suas relações com esse regime.

"Este acordo é inaceitável e não atende a exigência do povo turco que pede fim ao cerco israelense imposto a Faixa de Gaza e contradiz as petições das famílias dos mártires de assalto em 2010, uma vez que impede seus autores sejam levados à justiça", lamentou. Embora o presidente turco, Recep Tayip Erdogan, acredita que seu país precisa o regime israelense, a oposição turca critica relações turco-israelense e garante que os turcos "não precisam" ter ligações com esse regime.



vídeo mostra como um soldado do regime israelense brutalmente preso uma criança palestina de 12 anos, durante uma manifestação pacífica na aldeia de Nabi Saleh contra o confisco de terras palestinas para expandir o assentamento ilegal de Halamish pelo regime de Tel Aviv.



***